sexta-feira, 29 de maio de 2009

Grandes Músicos I - Kurt Cobain (1967-1994)




Kurt Donald Cobain nasceu no dia 20 de Fevereiro de 1967, em Aberdeen (Estado de Washington). Hiperativo, teve de tomar remédios para se conseguir concentrar na escola e sedativos para dormir à noite. Quando tinha 7 anos os seus pais separaram-se. Inicialmente, foi morar com o pai, que tinha a custódia oficial, mas depois saiu de casa deste e passou a viver na casa de uns parentes. Desde pequeno que Kurt se interessava muito por música. Os seus ídolos passaram de Beatles e Monkeys para Kiss e Black Sabbath, e, depois de 1979, descobriu The Clash e Sex Pistols, expoentes do punk rock. O primeiro show a que assistiu foi em Março de 1983: Sammy Hagar and Quarterfish, no Seattle Center Coliseum. A primeira guitarra que teve foi comprada no seu 14º aniversário. Em Dezembro de 1985, formou a primeira banda, Fecal Matter, com Dale Crover no baixo e Greg Hokanson na bateria. No meio do ano seguinte, Kurt e um amigo, o baixista Krist Novoselic, decidem montar o seu próprio grupo, que inicialmente se chamava Stiff Woodies. O primeiro espectáculo desta banda foi em Março de 1987, em Raymond (Washington). Já como Nirvana, a bateria passou de mão em mão por músicos como Dale Crover, Chad Channing e Dan Peters, que iam e vinham de acordo com os espectáculos. O primeiro disco, "Bleach", foi gravado desta forma. Empurrado por críticas positivas e espectáculos altamente comentados, os Nirvana assinam contrato com a Geffen Records. Além dos Nirvana, surgiam em Seattle outras bandas como Mudhoney, Tad e Soundgarden. Nascia naquele momento o movimento musical e cultural que mais tarde ficou conhecido como grunge. A principal característica deste estilo musical eram as guitarras distorcidas, os vocais gritadas e as camisas de flanela. O seu maior símbolo foi, sem dúvida, Kurt Cobain. O sucesso alcançado com o segundo disco, "Nevermind" (lançado em 24 de Setembro de 1991), elevou a banda ao estrelato. O álbum foi crescendo devagar, com críticas favoráveis e o famoso boca a boca, até desbancar "Dangerous", de Michael Jackson do topo da parada americana. Em busca de mais e mais dinheiro, os empresários começavam a agendar os shows em grandes arenas, que ficavam sempre lotadas. Quem mais sofria com este assédio era Kurt. As drogas passaram a ser um refúgio seguro. Em 24 de Fevereiro de 1992, Kurt Cobain casa-se com a cantora Courtney Love (do grupo Hole) em Waikiki Beach, no Havaí. Em Agosto daquele ano nascia Frances Beacon Cobain, única filha do casal. Em 1993 Kurt foi internado depois de uma overdose para tentar se livrar do vício, mas saiu da clínica antes do fim do tratamento. No dia 1 de Março de 1994, os Nirvana fizeram a sua última apresentação ao vivo, em Munique (Alemanha). Três dias depois, Kurt é hospitalizado por tentativa de suicídio através da ingestão de uma dose alta de comprimidos e champagne. No fim daquele mês, será internado numa clínica de reabilitação, da qual saiu 30 dias após começar o tratamento. Foi achado em casa pelo eletricista Gary Smith no dia 8 de Abril, três dias depois de ter dado um tiro na própria cabeça. Morto aos 27 anos, Kurt Cobain igualou Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison, que também morreram com a mesma idade.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Poesia de Manuel Laranjeira I




Vendo a Morte


Em tudo vejo a morte! e, assim, ao ver


Que a vida já vem morta cruelmente


Logo ao surgir, começo a compreender


Como a vida se vive inutilmente...



Debalde (como um náufrago que sente,


Vendo a morte, mais fúria de viver)


Estendo os olhos mais avidamente


E as mãos prà vida... e ponho-me a morrer.



A morte! sempre a morte! em tudo a vejo


Tudo ma lembra! e invade-me o desejo


De viver toda a vida que perdi...



E não me assusta a morte! Só me assusta


Ter tido tanta fé na vida injusta ...


E não saber sequer pra que a vivi!



Manuel Laranjeira (1877-1912)*





* Manuel Laranjeira (1877-1912) nasceu em São Martinho de Moselos, conselho de Vila da Feira, de uma família modesta. É graças à herança recebida depois da morte de um tio brasileiro que Manuel Laranjeira prossegue estudos e consegue formar-se em Medicina na Escola Médico-Cirúrgica do Porto. Dedica-se desde novo à poesa e ao teatro, colaborando em diversas publicações periódicas, como a Revista Nova, A Arte e O Norte. Viaja entretanto até Madrid, visitando o Museu do Prado e mostra interessa em fixar-se em Paris onde se encontrava o pintor Amadeo de Souza-Cardoso, seu amigo. Em 1908 conhece Miguel de Unamuno na cidade de Espinho, trocando com ele correspondência. Troca também correspondência com João de Barros, António Patrício, Afonso Lopes Vieira, entre outros. Em 1912, desesperado com a doença (uma sífilis nervosa), suicida-se com um tiro na cabeça. Obras: ...Amanhã. (Prólogo Dramático), A Doença da Santidade (1907), Comigo. Versos dum Solitário (1912), Naquele Engano d'Alma, Cartas (1943), Diário Íntimo (1952), A Cartilha Maternal e a Fisiologia, Dor Surda (novela, 1957), Prosas Perdidas (1958), etc.